Angop - Agência de Notícias Angola Press

Ministro realça importância da prova de vida

16 Outubro de 2019 | 14h56 - Política

Huambo - O ministro dos Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria, João Ernesto dos Santos, realçou hoje, quarta-feira, no Huambo, a importância da prova de vida dos seus dependentes na actualização dos dados estatísticos e asseguramento dos pensionistas no sistema de pagamento de subsídios.

O governante fez estas declarações durante um encontro com os antigos combatentes e veteranos da Pátria residentes nesta região, aos quais pediu adesão massiva ao novo processo de recadastramento e prova de vida, para confrontação dos dados do sistema.

Ao contrário do cadastramento passado, referiu, neste novo processo os pensionistas terão a oportunidade de confirmar a prova de vida, daí a razão dos cinco mil e 647 assistidos na província do Huambo se fazerem presentes no recadastramento.

Lembrou que fruto do cadastramento, que teve a duração de um ano, o Governo está a poupar, desde Abril, mais de 270 milhões de kwanzas, todos os meses, com a redução de mais de 12 mil pensionistas, um processo que deve continuar a ser realizado, por trazer resultados animadores.

Entre os assistidos na província do Huambo, planalto central de Angola, constam 212 antigos combatentes, 136 deficientes do primeiro grupo, 273 do segundo, 715 do terceiro e 444 do quarto grupo, além de 3.274 órfãos, assim como viúvas.

Considera-se antigo combatente todo o cidadão que, sob direcção organizada de um movimento de libertação ou integrando em células ou grupos activos da clandestinidade, tenha participado e prestado a sua contribuição na luta de libertação nacional, contra o colonialismo português, até a conquista da Independência, no dia 11 de Novembro de 1975.

Durante a sua estada na província do Huambo, com uma extensão territorial de 35.771 quilómetros quadros e uma população de dois milhões, 389 mil e 231 habitantes, o ministro dos Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria vai deslocar-se aos municípios do Bailundo e da Caála, para constatar “in loco”, o andamento dos vários projectos de melhoramento da qualidade de vida desta franja da sociedade.