Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

16 Fevereiro de 2020 | 20h09 - Actualizado em 17 Fevereiro de 2020 | 12h16

Angola vai criar agência de comunicação digital

Luanda - A criação de uma Agência Nacional de Comunicação Digital (ANCD) é uma das principais decisões saídas do 14.º Conselho Consultivo do Ministério da Comunicação Social, realizado na última semana, em Catete, província de Luanda.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Ministro da Comunicação Social, Nuno Caldas Albino, dirigiu os trabalhos do Conselho Consultivo

Foto: Gaspar dos Santos

De acordo com o coordenador do projecto, Domingos Simão, a agência terá como missão regular e desenvolver as entidades padrão e visual de comunicação digital.

Ao mesmo tempo, a instituição traçará as políticas e as estratégias (Plano de Comunicação Digital), no âmbito da informação e gestão de conteúdos do Governo sobre a Internet, a partir da adopção, pelos órgãos do Poder Executivo, das premissas na identidade digital.

Ao apresentar a ANCD, no 14.º Conselho Consultivo da Comunicação Social, encerrado quinta-feira, o coordenador da comissão instaladora disse que se pretende melhorar e desenvolver um modelo de comunicação digital baseado na gestão de políticas públicas e integração de conteúdos da governação electrónica.

O novo organismo do Ministério da Comunicação Social terá ainda a missão de tutelar e coordenar a actividade da área da comunicação digital e qualificá-la, para permitir que o cidadão encontre, com maior e mais facilidade, as informações sobre as políticas e serviços oferecidos pelo Governo.

Domingos Simão realçou que, com o surgimento da agência, fica mais valorizado o papel do Governo nas estratégias de criação de inovação digital, enquadrando-se na tendência da nova forma de governação da economia digital.

Neste sentido, a ANCD vai normalizar, orientar e coordenar a actividade de gestão da estratégia do marketing digital e a uniformização dos conteúdos na comunicação do Governo, assim como deve levar a cabo acções de formação dos auxiliares do Titular do Poder Executivo, directores de comunicação nstitucional, adidos de imprensa nas missões diplomáticas e consulares.

Com isso, salientou Domingos Simão, a formação, que juntará igualmente outros departamentos ministeriais do Governo, vai padronizar, criar, melhorar e manter as políticas e campanhas da comunicação e media digital com uma única linha de orientação.

No fundo, realçou o coordenador da comissão instaladora da ANCD, a ideia é dar valor à comunicação digital, de modo que esta seja uma ferramenta de real utilidade, com informações e serviços orientados para melhor interacção dos cidadãos com o Poder Executivo.

Para o Governo, o acesso dos cidadãos a uma informação mais plural, rigorosa, isenta e credível, no sentido de melhorar e diversificar os conteúdos de informação noticiosa, é uma das principais apostas para o sector, até 2022.

Com a criação da ANCD e de outros programas, na visão do Ministério da Comunicação Social, aumenta-se a qualidade dos programas e dos seus conteúdos e a promoção da diversificação das fontes, de forma a contribuir para o desenvolvimento educacional, cívico e cultural da população.

Por isso, o Ministério pretende que, até 2022, o índice de pluralidade nos media alcance os 75 por cento e a isenção nesses órgãos atinja os 70 por cento.

Espera-se por uma subida de, pelo menos, 40 por cento do número de comunicações institucionais na televisão, na rádio e nos jornais, em matéria de saúde pública, deveres cívicos, campanhas rodoviárias, eventos culturais e outros de assuntos de interesse público.

Assuntos Angola   Comunicação Social  

Leia também