Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Ciência e Tecnologia

05 Agosto de 2020 | 20h21 - Actualizado em 05 Agosto de 2020 | 20h50

Smartphones impulsionam inclusão digital em África

Luanda - Os aparelhos smartphones representam acima de 39 por cento das 774 milhões de conexões móveis existentes na África Subsaariana e estão a impulsionar a inclusão digital no continente, de acordo com um relatório da GSMA.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

smartphones impulsionam inclusão digital

Foto: Pedro Parente

Segundo o documento, os smartphones acessíveis estão a impulsionar a inclusão digital em África e a adopção de aparelhos pode levar ao salto quântico para a 4G, com a conectividade móvel agora sendo parte integrante da economia moderna.

Refere que o acesso aos smartphones está projectado para crescer significativamente, mas para que os africanos possam colher os frutos da conectividade móvel plenamente, é imperioso que os aparelhos para smartphones com 4G sejam facilitados para o mercado básico.

Isto exige uma inovação financeira juntamente com a inovação tecnológica que caracteriza o sector, mas os smartphones devem ser mais baratos, caso África queira desbloquear todo o potencial dos seus habitantes.

Felizmente já existem sinais encorajadores de que fabricantes, criadores de políticas e operadores de redes estejam a criar parcerias para assim integrar esta inovação financeira à busca da inclusão digital.

A título de exemplo, no Quénia, a Safaricom lançou recentemente um programa de financiamento de dispositivos, em parceria com a Google e Teleone, permitindo que assalariados de baixa renda no país tenham acesso a telefones 4G de qualidade, mediante parcelas baixas, a partir de 20 Kshs ( R3) por dia.

O país tem uma alta penetração na telefonia móvel, mas tal tradicionalmente envolveu os telefones 2G.

A campanha visa trazer mais um milhão de clientes para a economia digital. A Airtel África expandiu a adopção da 4G no continente com as suas ofertas de dados “more for more”, aumentando o uso médio de dados, com a 4G a responder agora por mais de 60% da sua receita de dados.

Contudo, um dos meios mais efectivos para encorajar a adopção de smartphones é reduzindo a carga tributária sobre os telefones e serviços móveis sob a forma de direitos de importação e impostos sobre vendas.

Neste contexto, os criadores de políticas têm um poderoso papel a desempenhar, capacitando os cidadãos com acesso mais fácil 'a conectividade digital. '

A medida em que os smartphones se tornam a norma, o espectro de banda larga pode seguir o exemplo e as operadoras de rede podem fazer a transição para plataformas baseadas em 4G e 5G, com todos os benefícios de alta velocidade e conectividade em massa que as mesmas oferecem.

A crescente demanda por aparelhos 4G indica o momento em que um mercado está pronto para a transição para a rede 4G, permitindo assim o encerramento do espectro 3G, como o fez recentemente a Índia.

Na recente Conferência Mundial LTE 2020, Sandeep Gupta, vice-presidente executivo da Barthi Airtel na Índia, disse que a tomada de decisão para o encerramento da rede 3G foi motivada por duas considerações – a inserção dos Smartphones e os recursos de rede certos, tais como o SDR(Software Defined Radio) e a radio singleRAN , que suporta a 4G VoLTE. Porém, o cerne para esta transição são os aparelhos acessíveis.

Na China, a adopção da 4G foi acelerada pela introdução de aparelhos de 100 Yuan (R238), catapultando milhões para o futuro 4G e 5G.

Na África do Sul, os smartphones tornaram-se significativamente mais acessíveis, com aparelhos como o Huawei Y5 Lite vendido por cerca de R1 300.

No entanto, permanece o desígnio de fazer dos smartphones com 4G ainda mais acessíveis e verdadeiramente democratizar a conectividade.

O caminho mais simples para acelerar a inclusão digital, talvez passe por uma mudança no nosso entendimento do lugar dos aparelhos 4G na nossa sociedade.

“Tão logo os smartphones sejam vistos como uma mercadoria, um direito básico, em vez de um luxo, eles poderão ser comercializados, vendidos e tributados de acordo, levando toda a humanidade para a nova economia digital”, finaliza o relatório.

Assuntos Angola  

Leia também
  • 02/08/2020 21:42:51

    INFOSI aposta na inclusão digital

    Luanda- A massificação e inclusão digital, com a distribuição gratuita do sinal de internet aos cidadãos, por meio do programa Angola Online, é um dos principais propósitos do Instituto de Fomento da Sociedade da Informação (INFOSI).

  • 23/07/2020 13:33:05

    Jogos electrónicos geram USD 22 milhões/ ano

    Luanda- Vinte e dois milhões de dólares norte-americanos é o valor de receitas que geram os jogos electrónicos, em Angola, praticado por uma comunidade de mais de 50 mil jogadores registados.

  • 15/07/2020 20:24:26

    E-mails representam 77% dos ataques cibernéticos

    Luanda - Setenta e sete porcento dos ataques cibernéticos em Angola têm como fonte os e-mails, alertou, nesta quarta-feira, em Luanda, a responsável do Gabinete Jurídico da multinacional Angola Cables, Nádia Ribeiro.