Angop - Agência de Notícias Angola Press

Ministro elege como prioridade homologação de processos dos antigos combatentes

10 Fevereiro de 2018 | 18h09 - Sociedade

Saurimo - A homologação de mais de 40 mil processos dos Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria do país, existentes no ministério de tutela, constitui uma das prioridades este ano do seu ministro, João Ernesto dos Santos.

  • Ernesto dos Santos Liberdade, Ministro dos Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria

Em declarações, sábado, em Saurimo (Lunda Sul) à imprensa, no quadro do balanço da sua visita, o governante esclareceu que a homologação deste grupo permitirá que cada um receba o que merece, pelo contributo dado na Luta de Libertação Nacional e não só.

Segundo o ministro que considerou positiva a visita, elegeu como segunda prioridade a criação do cartão de identificação do Antigo Combatente, com vista a merecer um tratamento especial e adequado por parte das instituições públicas e privadas.

João Ernesto dos Santos afirmou ainda que o ministério que dirige continuará a trabalhar permanentemente com o governo provincial da Lunda Sul, no sentido de contribuir nas acções, que visam concorrer à melhoria da qualidade de vida dos assistidos.

Sublinhou que dos encontros mantidos com os assistidos, associações de ex-militares e distintos membros do governo local, os problemas são conjunturais e paulatinamente serão resolvidos.

“Reconheço que o Ministério dos Antigos Combatentes não consegue oferecer tudo aos assistidos, tendo em conta o que espelha a Constituição da República de Angola, sobre os seus direitos e deveres”, enfatizou.

O ministro dos Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria, João Ernesto dos Santos, na companhia do governador, Ernesto Kiteculo, visitaram na comuna do Mona Quimbundo, a escola técnica Agrária da comuna do Mona Quimbundo, projecto da piscicultura e o centro de multiplicação de sementes da mandioca.

A província da Lunda Sul tem 14 mil e 682 assistidos, dos quais 7 mil e 939 são antigos combatentes, 623 deficientes de guerra, 190 viúvas de combatentes, cinco mil e 840 órfãos, 83 ascendentes e quatro acompanhantes.

O Ministério dos Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria controla, a nível do país, um total de 160 mil assistidos.