Angop - Agência de Notícias Angola Press

Huíla: Caluquembe sem danos após abalo sísmico

13 Outubro de 2017 | 10h49 - Sociedade

Caluquembe - Apesar do susto resultante de um sismo cuja magnitude se desconhece, que abalou, por volta das 20h30 minutos de quinta-feira o município de Caluquembe, com réplica às 00h12, de três segundos, não há registos de danos materiais ou humanos, revelou à Angop o administrador municipal, José Arão.

  • Huíla: Pormenor de uma rua de Caluquembe

Fez saber que foi tudo muito rápido e que as primeiras impressões indicam não haver danos, embora a nível da comuna da Negola tenha sido criada uma comissão para aferir com mais profundidade.

Afirmou que a actividade sísmica que gerou algum pânico, deu-se mais precisamente na comuna da Negola, 42 quilómetros da sede municipal.

Sublinhou ser a quinta vez que se regista esse fenómeno, mas não com a mesma intensidade, tampouco no mesmo local, pelo que é necessário a instalação de uma estação sísmica, pois é um fenómeno que vai se verificando regularmente na municipalidade.

“Esta situação faz-nos entender, que os estudos venham a confirmar, que estamos numa zona sísmica, para detectar a actividade na região”, frisou.

Ainda não existem informações sobre danos resultantes desta actividade sísmica, mas o administrador municipal afirmou que uma comissão trabalha ao longo dessa sexta-feira para avaliar a situação.

A 17 de Janeiro deste ano, um sismo de magnitude 4.7 graus na escala de Richter, sacudiu os municípios do Lubango, Chicomba e Caluquembe, e o Instituto Nacional de Metrologia e Geofísica de Angola (INAMET) revelara na altura que teve o epicentro nesse último.

Teriam estado na base  do evento sísmico, alguns modelos teóricos que são definidos a nível mundial, como é o caso das zonas de fraquezas pré-existentes que foram causados a milhões de anos atrás, segundo o INAMET.

A província da Huíla não dispõe de instrumentos capazes de medir a intensidade de sismos, havia a possibilidade de montagem de uma estação afim na comuna do Tchivinguiro (município da Humpata), 40 quilómetros do Lubango, o que não se concretizou até hoje.