Angop - Agência de Notícias Angola Press

Angola : Jovem deficiente dá exemplo de empreendedorismo

18 Maio de 2017 | 12h08 - Sociedade

Luanda - O espírito empreendedor e o incentivo de pessoas ligadas à Associação Nacional de Deficientes Angolanos aliado ao apoio constante da sua esposa, levou Paulo Jeremias, uma pessoa com deficiência, a tornar-se num pequeno empresário.

  • Paulo Jeremias - deficiente que se tornou empresário
  • Vista parcial do restaurante de Paulo Jeremias
  • Restaurante de Paulo Jeremias

Este facto foi constatado pela Angop ao entrevistar este cidadão que nos anos 90 ficou deficiente físico dos membros inferiores ao accionar, na província do Huambo, uma mina anti-pessoal.

No seu depoimento, Paulo Jeremias referiu que no principio pensou que o mundo para si tinha acabado e que passaria dificuldades toda a sua vida, contudo ao filiar-se na Associação Nacional de Deficientes Angolanos (Anda) encontrou apoio moral  e bons conselheiros.

“ Nos finais da década de 90 accionei uma mina anti-pessoal, na província do Huambo, onde cumpria o serviço militar obrigatório, e nessa altura fiquei com a minha auto-estima muito em baixo, mas na Anda encontrei um grande conselheiro, o seu presidente, Silva Lopes Etiambulo”, referiu.

Realçou que um dos lemas que tem caracterizado a Anda é o de cada pessoa com deficiência não trocar a deficiência pela consciência, visando com o mesmo que cada um seja empreendedor.

Empreendedorismo  

Neste contexto, o interlocutor da Angop informou que, ao adquirir um terreno no município de Viana, em 2001, através da Anda, com o emprego que conseguiu numa empresa petrolífera associada a Sonils e a ajuda da sua esposa, deu inicio ao  seu projecto.

Paulo Jeremias iniciou com uma barraca onde vendia refeições, tendo posteriormente passado a construir, com os poucos recursos conseguidos, um restaurante.

Chegou a ter dez empregados ao seu dispor, porém, devido às dificuldades financeiras derivadas da crise económica que o país atravessa, viu-se obrigado a reduzir para seis, dos quais dois trabalham em dois turnos, em que o primeiro vai das 8h00 as 16h30 e o segundo até as 22h00.

O estabelecimento é abastecido de bebidas por uma empresa vocacionada para o efeito, fruto de um contrato rubricado entre as partes.
 
Informou que tem como perspectivas criar um espaço de lazer para crianças e uma área residencial como parte do seu empreendimento.

 Dificuldades

Como maiores dificuldades, apontou a falta de abastecimento de água potável na zona, o que o obriga a usar  tanques de água e a recorrer a carros cisternas, assim como de energia eléctrica fornecida das 17h00 ás 5h00.

 “ Este facto tem dificultado imenso o meu trabalho, principalmente na conservação de frescos, pois não é fácil manter geradores funcionais todos os dias, sendo necessário comprar combustível a fim dos produtos perecíveis não se deteriorarem”, explicou.
 
Esperança no futuro

No entanto, aconselha a todos os cidadãos portadores de deficiência a não baixar a auto-estima, “ pois perder um braço ou uma perna não constitui o fim do mundo, visto termos inteligência para se seguir em frente”.

Paulo Jeremias deplora o recurso a mendicidade que muitos cidadãos tem recorrido, defendendo que cada cidadão opte pela formação académica ou profissional, visando a criação de micro ou pequenas empresas.

 “ As dificuldades fazem parte da nossa passagem por esta vida, porém o valor humano deve estar acima de todas as dificuldades, pois o verdadeiro homem é aquele que aposta na criação de melhores condições de vida para si e para a comunidade”, sublinhou.