Angop - Agência de Notícias Angola Press

Instituto faz mais de mil cirurgias oculares

11 Setembro de 2019 | 16h15 - Saúde

Luanda - Mil duzentos e 73 cirurgias ligadas as patologias ocular foram realizadas no primeiro semestre deste ano pelo Instituto Oftalmológico Nacional de Angola (IONA), em Luanda.

Os dados foram divulgados, nesta quarta-feira, em Luanda, a directora-geral, Luísa Paiva, que disse tratar-se de casos de catarata, pterígeo, estrabismo, glaucoma, doenças do segmento posterior do olho ligadas a complicações da diabete e da hipertensão arterial.

Os casos de cataratas lideram o gráfico com e 458 operações.

Segundo Luísa Paiva, que falava durante o 1º Encontro Nacional de Oftalmologia sob o lema “Juntos pela Saúde Ocular”, no mesmo período  foram atendidos 23 mil 569 pacientes.

Luísa Paiva informou que a instituição conta apenas com 18 médicos especialistas e atende mensalmente 4 mil e quinhentos doentes.

A responsável apontou a glaucoma como a maior causa de cegueira irreversível em todo mundo, afirmando que visto que dos 43 mil 283 pacientes atendidos em 2018, o glaucoma está como a quarta causa de atendimento.

No mesmo período, o Centro Oftalmológico Internacional de Benguela atendeu mais de mil cirurgias.

O director-geral da instituição, Salomão Chiambo, avançou que informou que em média, disse, são atendidos 100 novos casos entre adultos e crianças.

O centro conta apenas com oito médicos, entres os quais 6 expatriados, necessitando de mais 12 especialistas.

Salomão Chiambo considerou o quadro actual do hospital desafiante pela afluência dos doentes saídos de várias zonas do país.

Diariamente a instituição atende cerca de 15 a 20 cirurgias.

Por seu turno, o secretário de Estado da Saúde para área Hospitalar, Leonardo Europeu, afirmou que a criação da Sociedade Nacional de Oftalmologia melhora os serviços de saúde.

O responsável considera fundamental que uma sociedade deve incentivar o fornecimento de cuidados relacionados com a prevenção, diagnóstico, avaliação, terapêutica das doenças oftalmológicas, zelar pela ética profissional, esclarecer o público sobre temas de higiene e saúde ocular.

Leonardo Europeu avança ser necessário se melhorar a saúde ocular da população e o seu acesso a assistência oftalmológica da melhor qualidade.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), actualmente cerca de 285 milhões de pessoas estão visualmente prejudicadas no mundo, dos quais entre 60 a 80 por cento dos casos podem ser evitados e tratados.