Angop - Agência de Notícias Angola Press

Maternidade Lucrécia Paim assiste 404 grávidas seropositivas

12 Abril de 2019 | 14h21 - Saúde

Luanda - Quatrocentas e quatro mulheres seropositivas estão a ser assistidas durante o I trimestre na maternidade Lucrécia Paim, em Luanda, para beneficiaram do processo de corte de transmissão vertical, informou hoje (sexta-feira), a directora Manuela Mendes.

  • Manuela Mendes - Directora da Maternidade Lucrécia Paim
  • 1ªDama, Ana Dias Lourenço (cent) Sílvia Paula Lutucuta, ministra da Saúde (dir) e Manuela Mendes, directora da Maternidade Lucrécia Paim

Segundo a responsável, que falava no final da visita que a Primeira-Dama de Angola, Ana Dias Lourenço, efectuou àquela unidade no âmbito da campanha “Nascer livre para brilhar”, em 2018, 800 mulheres seropositivas deram a luz na instituição, dos 28 mil e seis partos que a instituição efectuou, tendo acompanhado mil e 774 mulheres seropositivas.

Acrescentou que a taxa de infecção na maternidade é de um por cento e que estão engajados  na campanha “Nascer livre para brilhar” em todos os aspectos, quer físico e psíquico das crianças.

Referiu que acompanham as crianças até aos oito meses e quando são seropositivas são encaminhadas ao Hospital Pediátrico para seguimento.

A campanha "Nascer Livre para Brilhar"foi lançada pela primeira-dama da República de Angola, Ana Dias Lourenço, em Dezembro de 2018 e pretende reduzir a taxa de transmissão do VIH de mãe para o filho de 26 por cento em 2019 para 14 por cento até 2021.

A mesma visa trazer à consciência e priorizar a problemática vivida por todos os países do continente e reforçar o compromisso político das Nações Africanas.

A maternidade Lucrécia Paím conta com capacidade para 45 partos dia, atende, em média, entre 150 a 200 pacientes. Destas, 80 acabam por ser encaminhadas para sala de parto.

Com capacidade real de 500 camas, a maternidade conta com 800 funcionários, sendo 52 médicos, entre nacionais e estrangeiros, e 365 enfermeiros, e é considerado um hospital terciário (aquele que recebe casos que não encontram solução nas outras unidades hospitalares).