Angop - Agência de Notícias Angola Press

Fundo Global disponibiliza USD 45 milhões para a Saúde

12 Julho de 2018 | 00h00 - Saúde

Luanda - Um acordo para o financiamento de projectos de controlo da malária e VIH/Sida em Angola avaliado em USD 45 milhões foi rubricado hoje, quarta-feira, em Luanda, entre o Ministério da Saúde (Minsa) e o Fundo Global.

  • Troca de pastas entre a ministra da saúde, Sílvia Paula Lutucuta (Esq), e Charlotte Kristiansson, Gestora Regional do Fundo Global

O financiamento para um período de três anos (2018-2021), visa melhorar a saúde da população e reduzir o número de mortes por malária, a principal causa de óbito em Angola, e o VIH/Sida.

Em declarações à imprensa, a ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, referiu que os valores financiados pelo Fundo Global serão utilizados para combater as doenças endémicas como a malária, tuberculose e VIH/Sida.

A governante referiu que o seu pelouro vai dar continuidade ao programas já existentes, com vista a reforçar os trabalhos que têm vindo a ser implementados pelo Executivo angolano na luta contra as doenças endémicas, com vista a melhoria da saúde do povo angolano.

Por seu turno, a presidente do Mecanismo de Coordenação Nacional do Fundo Global (MCN), Ruth Mixinge, solicitou aos parceiros a cumprirem com os seus objectivos e reforçarem as acções de educação para saúde no seio das comunidades.

A  gestora Regional do Fundo Global, Charlotte Kristiansson, salientou que o dinheiro disponibilizado para o combate à malária leva em conta a nova distribuição geográfica de Angola e da prevalência desta doença no país.

Fez saber que a nova subvenção de VIH/Sida assinado pelo PNUD em parceria com o Instituto Nacional de Luta contra a Sida tem como objectivo atingir as metas globais e aumentar a percentagem do controlo desta doença nas crianças e adultos.

Já o director do PNUD em Angola, Henrik Larsen, agradeceu pela confiança depositada pelo Governo de Angola como executor das verbas provenientes do Fundo Global.

A directora da Word Vision, Maria da Silva, afirmou que este acordo constrói os resultados e aprendizagens de um primeiro ciclo, trazendo a expansão dos serviços que certamente serão de mais valia a mais crianças, famílias e comunidades.

A verba será repartida pelo Minsa 13.470.603 dólares, PNUD 22.110.399, e a World Vision 8.529.397.