Angop - Agência de Notícias Angola Press

PGR apreende mais imóveis de São Vicente

25 Setembro de 2020 | 22h06 - Política

Luanda - A Procuradoria-Geral da República (PGR) procedeu, nesta sexta-feira, à apreensão de mais imóveis adquiridos com recurso a fundos públicos pelo arguido Carlos Manuel de São Vicente, antigo presidente do Conselho de Administração das AAA.

  • Carlos São Vicente, antigo PCA do Grupo AAA

Segundo o mandado de apreensão,  entre os bens apreendidos encontra-se um imóvel sito no condomínio Sodimo, na Praia do Bispo, que servia de escritório de Manuel Domingos Vicente, ex-PCA da Sonangol.

Foram, igualmente, apreendidos os edifícios ADLI, localizado na rua 28 de Maio, bairro da Maianga, e o Thyke Hotel, também conhecido por edifício Tower, sito na avenida 4 de Fevereiro.

O processo compreende, também, a apreensão do imóvel adjacente ao terminal da transportadora Macon, na avenida 21 de Janeiro e as residências nºs  29, 30, 31, 32, 33  e 34 do condomínio SODIMO.

Sob o empresário, já detido preventivamente, recaem suspeitas da prática dos crimes de peculato e recebimento indevido de vantagens, participação económica em negócios, tráfico de influências e outros.

No âmbito deste processo-crime, a Procuradoria-Geral da República já havia determinado a apreensão de 49 por cento das participações sociais da AAA Activos, no Standard Bank de Angola, SA, sob gestão de Carlos São Vicente.

Foram, ainda, apreendidos três edifícios da AAA e o IRCA, sitos na avenida Lénine, na Nova Marginal, avenida 21 de Janeiro e na rua Amílcar Cabral, bem como a rede de hotéis IU e IKA, todos localizados em Luanda.

O mandado de apreensão é extensivo aos edifícios situados noutras províncias do país, com excepção dos que se encontram sob gestão do Ministério da Justiça e dos Direitos Humanos.

Como fiéis depositários foram nomeados o Instituto de Gestão de Activos e Participações do Estado (IGAPE), para as participações sociais, e o Cofre Geral de Justiça, para os edifícios e redes de hotéis.

A PGR estava a investigar, em colaboração com as autoridades suíças, vários casos e negócios que envolvem a seguradora AAA, incluindo os 900 milhões de dólares bloqueados na Suíça e atribuídos ao empresário Carlos de São Vicente.