Angop - Agência de Notícias Angola Press

Unidades sanitárias terão abastecimento de água prioritário

26 Março de 2020 | 19h34 - Política

Luanda - O Executivo angolano vai priorizar o abastecimento regular de água às unidades sanitárias, mercados informais, centros de quarentena e prisionais, no quadro do plano de contingência para impedir o avanço da pandemia Coronavírus (Covid-19) no país.

  • Ministro da energia e águas, João Baptista Borges
  • Secretário para os Assuntos Económicas do Presidente da República, Lopes Paulo

O plano, que não exclui o abastecimento à população, foi anunciado esta quinta-feira pelo ministro da Energia e Águas, João Baptista Borges, no final da II reunião ordinária da Comissão Económica do Conselho de Ministros.

Entre as unidades sanitárias estão hospitais, centros de saúde e morgues, afirmou o governante, sublinhando que o plano de contingência contém também acções para o reforço da capacidade técnica da Empresa Pública de Águas de Luanda (EPAL) e das empresas provinciais de água e saneamento.

João Baptista Borges entende que as medidas vão rapidamente fazer face às avarias existentes na rede de distribuição, com destaque para as rupturas nas condutas.

Combate à pobreza

Ainda no quadro das medidas de contingência contra a Covid-19, o secretário para os Assuntos Económicas do Presidente da República, Lopes Paulo, afirmou, no final da sessão, que está em curso um programa co-financiado pelo Banco Mundial (BM) e pelo Governo de Angola.

No referido programa, e segundo o ministro, o BM co-financia com o valor de 320 milhões de dólares, enquanto Angola participa com 100 milhões de dólares.

Lopes Paulo frisou que os recursos para o programa estão assegurados e já disponibilizados. Quanto ao seu arranque referiu que fica condicionada ao fim da pandemia.

Até 2022, de acordo com Lopes Paulo, o programa deverá beneficiar 706 mil famílias.