Angop - Agência de Notícias Angola Press

Cabinda: Polícia detém cidadão que transportava imigrantes ilegais

15 Fevereiro de 2020 | 01h41 - Política

Cabinda - Forças conjuntas da Polícia Nacional e Serviços de Migração e Estrangeiros detiveram no posto de verificação da aldeia de Ngomongo troço Massabi ao município de Cacongo, um cidadão nacional, de 54 anos de idade acusado de crime de auxílio a imigração ilegal.

  • Cabinda : Posto de Fronteiras entre Angola e Congo Brazzaville - Massabi/Angola e Ntiamba NZazi-Ponta-Negra/Congo Brazaville
  • Forças Armadas Angolanas- Espirito de missão

O cidadão, membro das forças de defesa na província, transportava na sua viatura de marca Toyota Land-Cruiser, no sentido Posto Fronteiriço de Massabi à cidade de Cabinda, quatro cidadãos ilegais, sendo dois senegaleses, um maliano e um tchadiano. O cidadão nacional foi entregue ao Serviços de Investigação Criminal enquanto que os estrangeiros foram encaminhados para o SME para serem repatriados aos seus países de origem.

Em breves declarações, nesta sexta-feira, a Angop, sobre a situação migratória em Cabinda, o porta-voz do SME em Cabinda; José Puna, disse que, de Janeiro à primeira semana de Fevereiro deste ano, foram expulsos de Cabinda devido a situação migratória irregular, 452 estrangeiros dos quais, 433 da RDC e 19 do Congo Brazaville.

Sublinhou que, as frustrações e o combate a essas práticas tem sido fruto da prontidão dos efectivos das forças conjuntas da polícia nacional e SME e outros órgãos operativos do Minint e de defesa e segurança na província.

A prática de auxílio a imigração ilegal tende aumentar na província facto que obriga as forças conjuntas de defesa e segurança a redobrarem medidas de controlo e de verificação nos postos instalados ao longo das vias que parte dos postos fronteiriços para as sedes municipais e cidade de Cabinda.

O SME tem vindo a apelar a população bem como de outros cidadãos ligadas as instituições do estado e governo e de defesa e segurança que o crime de auxílio a imigração ilegal pode incorrer a uma pena que vai de 7 a 12 anos de prisão.