Angop - Agência de Notícias Angola Press

Vice-PR inteira-se do funcionamento da EPAL no Kilamba

16 Maio de 2019 | 17h16 - Política

Luanda - O vice-Presidente da República, Bornito de Sousa, na sua qualidade de Coordenador do Conselho Nacional de Águas (CNA), inteirou-se hoje, (quinta-feira), do funcionamento da estação de bombagem do Bita e de tratamento do Kilamba, da Empresa Pública de Águas de Luanda (EPAL).

  • Vice-presidente da República visita estação de bombagem do Bita e Kilamba
  • Vice-presidente da República visita estação de bombagem do Bita e Kilamba

O CNA, um dos órgãos permanente consultivo do Titular do Poder Executivo, tem a função de coordenar e articular os diferentes departamentos ministeriais, ligados ao planeamento, gestão e utilização dos recursos hídricos, no contexto das bacias hidrográficas.

Na estação de bombagem do Bita, que dista 18 quilómetros da centralidade do Kilamba, o vice-Presidente constatou o funcionamento dos dois grupos de electrobombagem, a área de captação, controlo de qualidade e manutenção.

Durante a visita guiada, o governante recebeu, do presidente do Conselho de Administração da EPAL, Diógenes Diogo, e do ministro da Energia e Águas, João Baptista Borges, explicações sobre o funcionamento da estação de bombagem.

Já na estação de tratamento e distribuição de água à cidade do Kilamba, Bornito de Sousa tomou contacto com os laboratórios de processos, de amostras, microbiologia e os tanques de recepção da água proveniente da estação de bombagem do Bita.

No final da jornada de campo, o vice-presidente reuniu à porta fechada, com o ministro da Energia e Águas, João Baptista Borges, com dirigentes da EPAL e representantes dos moradores da centralidade do Kilamba.

Nos últimos dias, os moradores das centralidades do Kilamba, KK5000 e Sequele têm contestado a qualidade da água fornecida pela EPAL, por se apresentar com cor e cheiro.

Após o encontro, um dos representantes dos moradores do Kilamba, Fernando Funchi Domingos, disse que continuam a receber, nas torneiras, água imprópria, em quantidades insuficientes e de forma intermitente.

Os moradores reclamam também dos altos preços e das cobranças que consideram aleatórias.

A propósito, o gestor da EPAL, Diógenes Diogo, assegurou que estão em curso acções para melhorar a qualidade da água, tendo salientado que o líquido já apresenta melhorias na sua coloração, apesar de ainda não ser a ideal.

“Estamos a trabalhar para que situações do género não voltem a acontecer”, referiu.

Sobre a cobrança aleatória, o responsável esclareceu que a EPAL não tem capacidade de resposta para em simultâneo fazer a leitura de 22 mil contadores, o que obriga a fazer estimativas do custo da água.

Disse ser uma situação que acontece de forma sazonal, mas que é reactualizada posteriormente.

O porta-voz da EPAL, Vladmir Bernardo, informou que está previsto, para o ano em curso, o início de montagem de contadores nos apartamentos KK 5000, onde a cobrança ainda é feita por estimativa, originando reclamações dos moradores.