Angop - Agência de Notícias Angola Press

Fórum de combatentes do Cuito Cuanavale homenageia General "Ngueto"

20 Março de 2017 | 13h45 - Política

Luanda - O Fórum dos Combatentes da Batalha do Cuito Cuanavale (FOCOBACC) homenageou hoje, segunda-feira, o tenente general João Domingos Baptista Cordeiro "Ngueto", falecido a 2 de Junho de 2002, na província do Cuanza Norte por acidente de aviação.

  • FACOBAC homenageia "General Ngueto"
  • Júlio de Carvalho Luxaze, secretário e coordenador do FOCOBACC

A homenagem ocorreu no cemitério do Alto das Cruzes, em Luanda, onde repousam os restos mortais de "Ngueto" e se enquadra na abertura da jornada alusiva ao 23 de Março, dia que marca a derrota das forças do antigo regime do apartheid, da África do Sul.

O acto visou também relembrar os heróis que perderam a vida na histórica batalha do Cuito Cunavale, na província do Cuando Cubango. O confronto militar, do qual o  general João Domingos Baptista Cordeiro ”Ngueto” fez parte, culminou com a vitória das forças angolanas.

Presente ao acto, o secretário geral do Fórum, Júlio de Carvalho Luxaze, afirmou que esforços estão a ser feitos para que a data (23 de Março) seja aceite pela Comunidade para o Desenvolvimento da África da Austral (SADC) como dia da organização.

Referiu que a acção foi desenvolvida no território angolano teve uma grande repercussão na região, tendo culminado com a libertação da Namíbia, da África do Sul e do então líder Nelson Mandela.

“Esperamos que a data seja aceite pela SADC, pois devemos fazer tudo para perpetuar que o dia 23 de Março seja recordado pelas gerações vindouras, pois fica marcado nos corações dos namibianos, cubanos e dos sul africanos“, frisou.

A derrota das então forças militares sul-africanas, no dia 23 de Março, obrigou ao regime do apartheid a promover conversações quadripartidas, que levou à assinatura do acordo de Nova Iorque (EUA) e, consequentemente, a independência da Namíbia e a democratização da África do Sul, com o fim do regime do Apartheid.

Sobre o tenente general Ngueto

O general Ngueto morreu numa altura (2 de Junho de 2002) em que liderava uma missão do grupo técnico regional norte que, num helicóptero MI-17 da Força Aérea Angola, se dirigia à área de aquartelamento de Mussabo, no quadro da implementação do memorando de entendimento assinado a quatro de Abril de 2002 pelas Forças Armadas Angolanas e as da Unita.

O tenente general João Domingos Baptista Cordeiro ”Ngueto” alistou-se nas ex-Forças Armadas Populares de Libertação de Angola (FAPLA), em 1974, depois de voluntariamente ter abandonado os estudos, para servir a pátria na luta pela independência nacional.

Fez o curso de comando táctico de estados-maiores, em 1991, na República de Cuba.

Em Angola exerceu cargos de direcção nas ex-FAPLA e posteriormente nas Forças Armadas Angolanas.

Notabilizou-se na carreira militar quando, no comando da sexta região militar das extintas FAPLA, impediu o avanço das tropas sul-africanas que, munidos de canhões de longo alcance "G-5" e "G-6" pretendiam tomar de assalto aquela região.

Interrompeu a carreira militar para a assumir a função de vice-governador para a defesa do Cuanza Norte.

Até a data da sua morte, o tenente general "Ngueto" desempenhava as funções de comandante da região militar Bengo.