Angop - Agência de Notícias Angola Press

Metro vai promover crescimento da economia nacional

19 Março de 2020 | 18h32 - Economia

Luanda - A melhoria da mobilidade urbana, criação de emprego, aumento da contribuição fiscal e qualidade de vida são apenas alguns benefícios que o Metro de Superfície de Luanda poderá proporcionar à economia angolana e, particularmente, aos habitantes.

  • Linha do metro começa a ser construída este ano

Segundo especialistas angolanos, o Metro de Superfície de Luanda, cujo início da sua construção está previsto para este ano, poderá propiciar também o aumento da vida útil das infra-estruturas rodoviárias em consequência da redução da circulação de veículos automóveis.

A redução da circulação de automóveis, como explicou à Angop o engenheiro civil, Abílio Cabeto, será uma consequência do metro, pois que este pela rapidez, comodidade, baixa de preço dos bilhetes de passagem e capacidade de transporte de milhões de passageiros num dia, provocará uma maior procura dos serviços.

Abílio Cabeto apontou também como vantagem, a inclusão das pessoas com mais de 50 anos, excluídas pela corrida ao transporte provocada pela carência.

Com o metro, explicou o engenheiro, os cidadãos não precisarão acordar demasiado cedo para ir ao serviço, correr risco de ser assaltado e evitar os taxistas que em situações de chuva fazem vias curtas.

“De um modo geral, poderá haver uma vida menos stressante”, concluiu.

Na mesma senda, o engenheiro Angelino Quissonde afirmou que o metro de superfície vai trazer um impacto positivo no bolso do cidadão, com redução dos custos de transportação assim como melhoria na qualidade dos serviços públicos e privados.

No domínio ambiental, o técnico considerou que o efeito será a baixa poluição automóvel tendo em conta a redução do número de veículos circulação por influência do Metro.

“ Será um facto bastante fundamental para a economia do país, pois hoje por hoje transportar uma mercadoria de carro em Luanda, devido ao engarrafamento, é quase uma missão impossível”, disse.

O engenheiro acredita que com o Metro as pessoas chegarão mais animadas, motivadas e felizes ao local de trabalho. Vão poder programar melhor a sua vida e ter o tempo como um recurso irrenovável.

Os empresários vão poder cumprir os horários de entrega porque os trabalhadores terão como ser pontuais”. O sair muito cedo de casa, percorrer longas distâncias, passar muito tempo no trânsito são situações que, segundo o entrevistado, serão ultrapassadas, assim como o stress, a frustração e o cansaço provocados no percurso casa trabalho e vice-versa.

Sobre o assunto, o arquitecto Américo Silva disse que o metro teria um impacto muito grande tendo em conta as enormes dificuldades que se vive relativamente à circulação na malha urbana que define a cidade de Luanda.

Referindo-se às rotas previstas (Porto de Luanda a Cacuaco, Avenida Fidel Castro Ruz-Benfica, Porto de Luanda-Largo da Independência e Cidade do Kilamba-1º de Maio), Américo Silva afirmou que para iniciar podem ser viáveis e mais tarde fazer-se as devidas correcções atendendo ao contínuo crescimento da cidade de Luanda.

Para o economista Estêvão Eutímio, o Metro de Superfície sendo um meio de transporte de massas o seu funcionamento propicia maior circulação de pessoas e bens.

O aumento de circulação de pessoas e bens viabilizará o aumento das transacções comerciais entre os agentes económicos.

A sociedade também sentirá a mitigação de um dos grandes problemas que afectam a província de Luanda, que é o transporte na medida em que, existe uma insignificância de serviços de transportes por um lado e por outro, existe uma pobre rede viária.

Com o Metro, avança o interlocutor, poderão reduzir-se os grandes congestionamentos de trânsito, permitindo aumento da produção com a redução do tempo que as pessoas ficam paradas no trânsito.

Implementação do Projecto Quanto à execução da obra, Abílio Cabeto referiu que para implementação de um projecto existe um documento elaborado e aprovado pelas partes envolvidas, que se chama “Termo de Abertura do Projecto (TAP)”, serve como referência para o processo de escolha e priorização do projecto, e contém, dentre outros, requisitos do cliente, limitações do projecto ou das partes envolvidas, prazo de execução, riscos identificados ou contingência e a meta de custo ou preço”, detalhou o especialista

Realçou que o foco deve ser o valor principal necessário para o cliente executar o projecto. Uma vez que para a implementação do projecto serão desalojadas algumas famílias, o arquitecto Américo Silva disse acreditar que o Governo e os parceiros terão condições para realojar ou indemnizar as famílias que forem abrangidas.

Já o Engenheiro Angelino Quissonde afirmou que toda e qualquer intervenção do Metro vai envolver expropriações, demolições e outro tipo de actividade relacionadas. Para tal, acrescentou, deve-se mobilizar, antes, a cada vez mais a população, pois há zonas históricas onde toda uma vivência com valor cultural, comercial e histórico precisa ser respeitado e negociado, embora os interesses nacionais estejam acima.

“Naturalmente que hoje, não é possível implementar-se em Luanda um projecto com essa dimensão sem incorrer à desalojamentos”, disse o economista Estêvão Eutímio, salientando que a cidade cresceu de forma desorientada sem deixar espaço para construção de infra-estruturas.

Relativamente aos custos, disse que o projecto de construção deve considerar a despesa de desalojamento e realojamento e, como tal, o financiador deverá incluir todas as despesas prováveis.

“Contudo, importa referir que, na conjuntura actual, o Governo não tem estrutura para auto financiar este projecto. Haverá necessidade de captar financiamento para o projecto”.

Na mesma ordem de ideias, o economista Mondlane Cruz afirmou que se a ideia é pensar na modernidade da cidade de Luanda, haverá hipóteses destruição de alguns bairros periféricos. Temos que pensar em modernizar a cidade de Luanda, está desarticulada por completo”. Em relação ao realojamento das pessoas, referiu que deve estar contemplado no plano de investimento.

Investidores do Metro de Luanda

A companhia alemã Siemens Mobility é a escolhida para construir, a partir deste ano, o "Metro de Superfície de Luanda", no âmbito de uma Parceria Público-Privada. A 7 de Fevereiro deste ano, o director executivo da Siemens Mobility, Michael Peter, e o ministro dos Transportes de Angola, Ricardo de Abreu, assinaram, em Luanda, um memorando de entendimento que certifica a parceria.

Angola terá uma participação minoritária no projecto, que ronda os 30 por cento, cabendo a outra parte (70%) aos agentes privados interessados em participar. A linha do Metro de Superfície, que consta das prioridades do Executivo angolano, vai ter uma extensão de 149 quilómetros.

Além do Metro de Superfície o Plano Director de Luanda, já aprovado pelo Executivo, prevê também dois sistemas de metro de superfície, designadamente o Bus Rapid Transit (BRT) e o Veículo Rápido sobre Trilhos (carris), abreviadamente VLT.

O primeiro é utilizado para sistemas de transporte urbano com autocarros, que são alvo de consideráveis melhorias na infra-estrutura, nos veículos e nas medidas operacionais que resultam em qualidade de serviço mais atractiva.