Angop - Agência de Notícias Angola Press

Indústria extractiva com peso de 85% no IPP

20 Novembro de 2018 | 17h24 - Economia

Luanda - A Indústria Extractiva (petróleo) em Angola teve um peso 85 por cento no Índice dos Preços dos Produtores (IPP), do primeiro trimestre de 2017 ao segundo trimestre de 2018.

De acordo com o técnico do Instituto Nacional de Estatística (INE)  Adão Francisco, as  variações  do IPP foram influenciadas  pelos preços de  extracção  do petróleo, exercendo assim um peso “considerável”.

Adão Francisco, que apresentou hoje o tema “ Estatísticas Industriais: Índice de Preços no Produtor”,  no âmbito das celebrações do 18  de Novembro,  Dia Africano de Estatística, no período em referência foram registadas duas variações significativas, sendo uma observada  no primeiro  trimestre  de  2017,  com  uma  taxa  de  variação de 19,7%  e  a outra com 36,3% no segundo trimestre de  2018.

Neste período, notou-se  que o Índice de Preço no Produtor  a nível nacional  foi influenciado pelo índice de preço do produtor da indústria extractiva.

“Se a indústria  extractiva tiver uma cedência para cima ou variação positiva, a mesma magnitude pode-se verificar no índice de preço do produtor  a nível nacional”, esclareceu.

No período em que foram registadas as taxas de variações negativas, entre o segundo  trimestre de  2017e o terceiro trimestre de 2018, foi a fase em que se verificou também  baixa do preço do barril de petróleo.

Quanto à variação de preços  por tipo de  bens, observou-se  que os bens relacionados  ao sector  da energia  também  foram  influenciados  pela  variação  do preço  da actividade de  extracção de petróleo.

No primeiro trimestre de 2017, o preço dos produtos de energia registou uma variação de 37,8%, enquanto no primeiro  trimestre  de  2018 a variação foi de 38,3%.

O IPP conta com as indústrias extractivas, transformadoras, produção e fornecimento de electricidade, gás e tratamento de água.

Com uma periodicidade de publicação trimestral, o IPP visa medir a variação dos preços praticados pelos produtores  à porta da fábrica, observar a evolução dos preços ao longo do tempo no país, indicador económico para a tomada de  decisões, instrumento macroeconómico e base para indexação de preços.

Com  uma cobertura nas  18 províncias  do País,  são  utilizadores do IPP, as Contas Nacionais, para  deflacionar as series  relativas a produção  industrial,  agentes  económicos, Banco Nacional de  Angola BNA), investidores,  instituições internacionais, como  o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial (BM).

No âmbito das celebrações do Dia Africano de Estatística,  foram ainda apresentados temas relacionados com  Índice de  Preços de Exportação e Importação (IPEI),   estatísticas  de finanças públicas e monetárias, um evento que contou com o apoio do PNUD, BNA, Ministérios das Finanças e  do Planeamento e  Economia.