Angop - Agência de Notícias Angola Press

Porto escorrega no fim e empata em Alvalade

18 Outubro de 2020 | 00h32 - Desporto

Luanda - Uma primeira parte animada, com reviravolta do FC Porto, parecia ter fechado o resultado em 1-2, mas a escorregadela no final permitiu ao Sporting chegar ao empate (2-2), em partida da 4ª jornada da Primeira Liga portuguesa de futebol.

O primeiro clássico acabou com este resultado que se justifica pelo grande número de erros das duas equipas.

O campeão falhou menos, mas escorregou no fim (88'), permitindo que o Sporting empatasse.

O jogo valeu pela primeira parte. O FC Porto entrou com intensidade e criou vários problemas à defesa do Sporting, que ainda não tinha sofrido golos na Liga.

As combinações com Diaz na esquerda desequilibraram a equipa de Ruben Amorim, mas até foram os anfitriões a chegarem primeiro ao golo, por Nuno Santos, aos 9 minutos.

O FC Porto começou a carregar, com intensidade na recuperação da bola e com a perícia de Diaz e Corona a desfazer a unidade da defesa baixa dos leões.

Corona teve um momento de génio aos 13', mas o remate saiu disparado para a cabeça de Uribe - e daí para a bancada. O golo portista surgiu aos 25' por Mateus.

Com o jogo na “mão”, sentia-se que o FC Porto podia fazer mossa ao adversário. Mas os erros de posicionamento dos médios permitiram dois lances que os leões podiam ter capitalizado, com Pedro Gonçalves a perder os duelos com Marchesín (38" e 44").

Os descontos da primeira parte foram o período mais emocionante do jogo. No primeiro minuto, chegou a reviravolta do campeão, segundo a reportagem do Diário de Notícias.

O génio de Corona permitiu-lhe aproveitar o esforço de Diaz, na área, e tirar dois adversários para bater Adán com subtileza.

Logo a seguir, lá ia Pedro Gonçalves lançado, novamente. Mas, desta vez, Zaidu colou-se ao adversário e atrapalhou-o no frente-a-frente com Marchesín. O árbitro assinalou grande penalidade, por alegado empurrão do lateral, e mostrou o segundo cartão amarelo a Zaidu.

Largos minutos depois, após consulta ao ecrã no relvado, Luís Godinho reverteu (e bem) as decisões. Nem penalidade e, consequentemente, nem segundo amarelo.

E a emoção quase que acabava aí. Na segunda parte, o FC Porto surgiu mais sólido e a cometer poucos erros, obrigando o Sporting a ter bola, mas sem progressão.

O Sporting ainda teve dois ou três remates, de fora da área, mas sem acertarem na baliza de Marchesín. Aliás, até aos minutos finais, só um remate encontrou a baliza.

E foi Sérgio Oliveira que o conseguiu, numa bola parada, mas sem perigo para Adán, que fez uma defesa fácil.

Num lance entre jogadores lançados na segunda parte, o ponta-de-lança rematou para uma bela defesa de Marchesín; a bola sobrou para a frente da baliza e Vietto atirou para o empate (2-2).

O clássico acabou com um futebol mediano, muitos erros dos dois lados e a demonstrar que há muito trabalho para Ruben Amorim e Sérgio Conceição fazerem. Mas também muito potencial.

As duas equipas seguem com sete pontos cada, tal como o Santa Clara (joga este domingo em Paços de Ferreira), a dois do líder Benfica.

O Sporting ainda vai fazer o jogo da 1.ª jornada a 28 de Outubro, quando receber o Gil Vicente.